To Harpo Marx (Jack Kerouac, 1959)

Harpo! When did you seem like an angel the last time? and played the gray harp of gold? When did you steal the silverware and bug-spray the guests? When did your brother find rain in your sunny courtyard? When did you chase your last blonde across the Millionairesses’ lawn with a bait hook on aContinuar lendo “To Harpo Marx (Jack Kerouac, 1959)”

Foxy Lady

Estou num período de ver e rever filmes das grandes mulheres fodonas e vingativas do cinema (nada como lavar a alma com um bom filme para não sairmos por aí cortando umas cabeças, não?), e tenho a grande necessidade de fazer uma reles e singela homenagem a maior de todas, a magnânima, toda poderosa, lindíssimaContinuar lendo “Foxy Lady”

As Bruxas (Le Streghe, 1967)

Achei Le Streghe!!! Achei Le Streghe!!! Em meados dos meados dos anos 60, Luchino Visconti, Mauro Bolognini, Pier Paolo Pasolini, Franco Rossi e Vittorio de Sica se juntaram para fazer cinco curtas protagonizados por uma única atriz, Silvana Mangano, as Bruxas/Feiticeiras que diz o título, em papéis diversos. Como seus coadjuventes a lista é dignissima:Continuar lendo “As Bruxas (Le Streghe, 1967)”

Homenagem ao macarrão…

“Tudo que você vê eu devo ao macarrão” – Sophia Loren É batata, jogo da Itália é gargalhada garantida. Ótima tática de jogo ao infernizar o francesinho temperamental, parecia que eu estava vendo um filme do Monicelli. Como sempre diz a minha mama: “Italiano é pândego por natureza”. Na foto: Com Milhões e sem CarinhoContinuar lendo “Homenagem ao macarrão…”

Tudo azul…

Literalmente tudo azul. A final da Copa hoje não é, para mim, um embate futebolístico e sim um jogo entre a melhor literatura do mundo contra o melhor cinema do mundo, por isso vou dar uma de Ricardo Teixeira e não só escolher o técnico e seu assistente, mas escalar todo o time do jogo,Continuar lendo “Tudo azul…”

Epílogo

Um dos maiores benfeitores de todas as formas de vida foi um homem que não conseguia se concentrar em qualquer trabalho que estivesse fazendo. Foi brilhante? Certamente. Foi um dos maiores engenheiros genéticos de sua geração ou de qualquer outra, inclusive várias que ele mesmo projetou? Sem dúvida. O problema é que se interessava muitoContinuar lendo “Epílogo”