Então era isso que havia no bolinho do Proust

Marcel ProustMadeleines de laranja e sementes de papoula

1 xícara (140g) de farinha de trigo peneirada
1 colher (chá) de fermento em pó
1 laranja média
5 ovos, levemente batidos
1 xícara (200g) de açúcar
2 colheres (sopa) de açúcar mascavo claro
113g de manteiga sem sal, derretida e fria
½ colher (chá) de mel
1 colher (sopa) de sementes de papoula

Glacê:
1 xícara (150g) de açúcar de confeiteiro, peneirado
¼ xícara (60ml) de suco da laranja reservada, passado pela peneira

Pré-aqueça o forno a 200ºC. Unte levemente duas formas antiaderentes próprias para madeleines, de 38x22cm cada.

Em uma tigela pequena, coloque a farinha e o fermento. Reserve.
Tire as raspas da casca da laranja e reserve tanto as raspas quanto a laranja.

Em uma tigela grande, misture os ovos, o açúcar e o açúcar mascavo. Com a ajuda de uma espátula, vá misturando delicadamente os ingredientes secos, misturando de baixo para cima, até incorporá-los; a massa vai ficar espessa. Acrescente a manteiga, o mel, as sementes de papoula e metade das raspas de laranja, mexendo até combinar tudo (não misture em excesso). Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 30 minutos.

Coloque 1 colher (sopa) cheia de massa em cada buraquinho da forma de madeleine e asse por 8-10 minutos, até que um calombo apareça na superfície de cada bolinho e eles estejam dourados. Desenforme imediatamente e deixe as madeleines esfriarem sobre uma gradinha.

Enquanto isso, prepare o glacê: em uma tigelinha, misture bem o açúcar de confeiteiro, o suco de laranja e o restante das raspas de laranja, até obter um creme homogêneo. Pincele o lado enrugadinho de cada madeleine com este glacê e deixe secar por pelo menos 5 minutos antes de servir ou armazenar.

MADELEINES DE LARANJA

Eram só as sementes, mas era papoula, pô!

Receita roubada inteiramente da minha parenta do Technicolor Kitchen

Publicado por Adriana Scarpin

Bibliófila, ailurófila, cinéfila e anarcafeminista. Really. Podem me encontrar também aqui: https://linktr.ee/adrianascarpin

4 comentários em “Então era isso que havia no bolinho do Proust

  1. … parece gostoso, mas nunca comeria isso não. Uma mordida, e lá se vão oito volumes de lembranças de amores perdidos. É demais pro meu coraçãozinho…

    Curtir

  2. Hahaha, bolinhos de Proust! Isso deve ser realmente bom!
    Estou esperando a ocasião adequada para experimentar esta receita!

    Curtir

  3. Também acho que tem que haver aquele dia específico onde tudo está às mil maravilhas para poder cozinhar algo de respeito, nos outros dias é bifum… hehehe. Digo bifum porque não como miojo e bifum é meu arroz com feijão.

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: