Subterranean Homesick Blues / Aeolus

Porque hoje é dia do irlandês louco, oras.
O que o Dylan tem com isso e com o capítulo 7? Tudo, oras.

Nota: Recomendo a versão para criança do Ulysses AQUI. hehehe

6 pensamentos sobre “Subterranean Homesick Blues / Aeolus

  1. Outro dia tava lendo sobre Ulisses, gente tipo Jung e Borges falando do livro – sendo que nenhum dos dois parece ter ‘lido’ mesmo, pelo menos não até o final.
    O Borges cita uma frase que me deixou boquiaberto, algo assim:
    “Childbed, bridebed, bed of death, ghostcandled.”
    Como alguém pode escrever assim?

    Curtir

  2. Cara, o Ulysses é um prato cheio para o Jung, tanto é que consegui lê-lo justamente numa época em que estava completamente envolvida em todas vertentes possíveis da semiologia. Mas é aquela coisa, tem que ser muito apaixonado por linguística para ler um livro assim e não adianta ler a tradução em português sem ter um original ao lado para ver o que está realmente rolando, Joyce era um desses caras raros que usavam a forma para expressar a filosofia e não a filosofia para expressar a forma. Isso é que é estranho na literatura contemporânea, as pessoas não estudam mais linguística como os escritores de antigamente que tinham aula disso no que era o ginásio e colegial da época, os contemporâneos lêem muito a literatura na prática mas esquecem muitas vezes da teoria e Joyce precisa da teoria para lê-lo senão é impossível.
    Mas é Ulysses é livro de criança perto do Finnegans, que ainda não terminei, mas que um dia espero terminar.

    Curtir

  3. Esqueci de falar, acabei comprando o Dublinenses por causa da dica do filme do Huston aqui – e vi o filme, claro; sensacional, e tem uma das frases que eu sempre quis saber a fonte (e que ouvi numa música há alguns anos):
    “I know all about the honor of God, Mary Jane.”

    Curtir

  4. Nada mais honra Joyce do que a música, a literatura dele é profundamente arraigada à música (especialmente o Finnegans) e homem extraía música de tudo, tem até aquela historinha do livro Música de Câmera cujos poemas teriam a sonoridade do bater da urina no penico!!! hehehe, é, o home era bom.

    Curtir

  5. Outra de cair o queixo:

    “A dark horse riderless, bolts like a phantom past the winningpost, his name moon-foaming, his eyeballs stars.”

    É tão musical e cria imagens tão fortes que eu aposto que minha cabeça vai dar pane se eu começar a ler o livro inteiro (e nem falo de absorver tudo que tem ali, só dar de cara com essas frases).

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: