Centenário de Carole Lombard – Parte 2

1- Ser ou Não Ser (To Be or Not to Be, Ernst Lubitsch, 1942)Embora considere as obras máximas de Lubitsch saídas de sua fase pre-code, Ser ou Não Ser e A Oitava Esposa do Barba Azul constituem uma exceção aos meus olhos e Maria Tura é certamente não apenas a melhor personagem de Carole (e última) como uma das marcantes personagens femininas do século XX. O irônico é que tal personagem deveria ser da eterna xodó lubitschiana Miriam Hopkins, mas esta se recusou (!?!) a trabalhar com Jack Benny, enquanto Clark Gable era terminantemente contra (!?!) Carole tomar parte desse filme.

2- Um Casal do Barulho (Mr. & Mrs. Smith, Alfred Hitchcock, 1941)Considerada a loira gelada hitchcockiana primordial, Carole foi a protagonista do mais singular dos Hitchcocks e sua silhueta foi alvo de uma obsessão à la Vertigo por décadas do tio Hitch por uma mulher morta.

3- Não Cobiçarás a Mulher Alheia (They Knew What They Wanted, Garson Kanin, 1940)Filme chatinho, tem seus momentos, mas o fato de tê-lo visto com dublagem em espanhol não ajudou muito, nem para apreciar a adorável voz de Carole e nem distinguir o suposto sotaque italiano de Charles Laughton, este com sua linda personagem a salvar o filme. Foi o primeiro filme de Karl Malden que ainda está vivo aos 96 anos!

4- Esposa Só no Nome (In Name Only, John Cromwell, 1939)Esse é o típico filme que me deixa puta por desperdício de talento, pegam o rei e rainha do screwball e colocam num melodrama xaroposo cujo atrativo-mor é justamente a antagonista vivida pela sempre excelente Kay Francis. Não, o filme não é ruim, é razoavelmente bom, mas ver dois dos meus maiores xodós eclipsados quando deveriam fazer uma senhora dupla, é dose. Há algo de pessoal no mote deste filme, Carole havia vivido algo parecido com Gable.

5- Nascidos para Casar (Made for Each Other, John Cromwell, 1939)Aí ó, esse filme cai como uma luva para o James Stewart, mas não sei se Carole não era furacão demais para ele, Carole combina com Cary, com Fred, com Fredric, com Clark, com Jack, com Gary… o James precisa de uma mulher mais sossegada, talvez não seja um filme ruim, mas dá no meu saquinho.

Publicado por Adriana Scarpin

Bibliófila, ailurófila, cinéfila e anarcafeminista. Really. Podem me encontrar também aqui: https://linktr.ee/adrianascarpin

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: