Centenário de Carole Lombard – Parte 8

31- A Melhor de Todas / Meu Único Amor (My Best Girl, Sam Taylor, 1927)Participação ínfima de Carole tentando roubar o Buddy Rogers da Mary Pickford, logo depois do acidente de carro que deixou marcas no rosto de Lombard. Esse é sim um filme que vale a pena e uma das glórias de Mary Pickford.Continuar lendo “Centenário de Carole Lombard – Parte 8”

O Caçador de Tigres (Where East Is East, 1929)

Where East Is East é um conto de obsessão sexual e estranhamente quem rouba o filme não é Chaney nem Velez, o grande atrativo é a insinuante Estelle Taylor no papel da vaca-mor vietnamita e mãe que quer a todo custo roubar o namorado da filha, com ela aprendendemos o significado primordial da expressão “soltarContinuar lendo “O Caçador de Tigres (Where East Is East, 1929)”

O Gângster ( The Racketeer, 1929 )

Estou até agora tentando me decidir o que é pior, o filme em si ou a tenebrosa edição nacional da “London Films” do DVD que comprei. É tudo um horror. The Racketeer é um dos primeiros filmes sonoros produzidos e nem todo mundo sabia o que estava fazendo nessa época (nem todo mundo nasceu Lubitsch),Continuar lendo “O Gângster ( The Racketeer, 1929 )”

Centenário de Lupe Velez

Há 100 anos nascia um dos primeiros simbolos sexuais latino-americanos do cinema. Ao lado de Ramon Novarro e Dolores Del Rio, Lupez Velez se tornou estrela em Hollywood e ficou conhecida como mexican spitfire pelo seu comportamento explosivo dentro e fora das telas, nascendo ali o mito da mulher latina fogosa e temperamental.

O Gaúcho ( The Gaucho, 1927 )

Depois da morte de Rudy (Rodolfo Valentino para os não-íntimos) quem mais poderia interpretar um gaúcho macho-cho-cho? Douglas Fairbanks pai, é claro. Fairbanks era um daqueles tipos hiperativos, algo como se fosse o Jackie Chan dos anos 20, podendo ser clamado como primeiro grande herói de ação do cinema. Em O Gaúcho não era diferente,Continuar lendo “O Gaúcho ( The Gaucho, 1927 )”

A animação intangível de Wladyslaw Starewicz (a.k.a. Ladislas Starevitch)

O animador franco-russo-polonês Wladyslaw Starewicz é quase um desconhecido até para os aficionados pela sétima arte quando deveria estar no top 5 dos maiores e mais importantes cineastas das primeiras décadas do cinema. Pessoas conceituadas como Terry Gilliam clamam por seu nome ao citar os maiores animadores de todos os tempos, mas clamá-lo-ei não comoContinuar lendo “A animação intangível de Wladyslaw Starewicz (a.k.a. Ladislas Starevitch)”

Wladyslaw Starewicz

Está para estreiar minha coluna na sessão de cinema do OPS (é, já estou cansando de blog e de tudo que resta na vida blá blá blá), convido todos a dar uma passada por lá de vez em quando, pois alí estarei a escrever umas coisas menos ruins do que escrevo por aqui e menosContinuar lendo “Wladyslaw Starewicz”

Danse macabre (1922)

DANÇA MACABRA (Charles Baudelaire) A Ernest Christophe Emproada como viva, orgulhosa a estatura, Com seu grande buquê, mais as luvas e o lenço, Possui a languidez como a desenvoltura De uma coquete magra e de ar de sonho imenso. Viu-se um dia num baile um porte assim delgado? O vestido abundante e de real esplendorContinuar lendo “Danse macabre (1922)”

Cinco Livros

Essas coisinhas são legais quando se está inspirado, como não ando muito, cairei mais uma vez nos meandros da minha própria mediocridade porque o assunto deste meme em especial indicado por Leo vale a pena, e como ele puxou a sardinha para si próprio não vejo porque não mimetizá-lo e puxar o tal do peixinhoContinuar lendo “Cinco Livros”

Gatinha Selvagem (Die Bergkatze, 1921)

Anteriormente a Wildcat, Lubitsch já havia dirigido pelo menos 3 das sua obras primas (A Princesa das Ostras, A Boneca do Amor e Não Quero ser um Homem) e feito tantos outros com a Pola Negri no elenco, tudo isso antes de chegar aos 30 anos. A grande vantagem do cinema mudo é que seContinuar lendo “Gatinha Selvagem (Die Bergkatze, 1921)”