Not Quite Hollywood: The Wild, Untold Story of Ozploitation! – Filmes

Dentre as dezenas de filmes citados no documentário Not Quite Hollywood, eis alguns: The Adventures of Barry McKenzie (Bruce Beresford, 1972)Esse eu conheci na época de minha obsessão extrema por Peter Cook, na bagagem ainda há Barry Humphries (Dame Edna é diva!), Spike Milligan e Dennis Price. O humor australiano é algo bem peculiar, elesContinuar lendo “Not Quite Hollywood: The Wild, Untold Story of Ozploitation! – Filmes”

Not Quite Hollywood: The Wild, Untold Story of Ozploitation! (2008)

Ah, todas essas pessoas com sotaque delicioso! Esse é o melhor documentário sobre cinema que vejo em muito tempo, não só pela qualidade da narração, mas pelo conteúdo informativo que beira o excesso, é muita coisa e muita coisa boa. Há muitas pessoas dando depoimentos, atores (Humphries, Lee Curtis, Lazenby, Rod Taylor, Jack Thompson, RogerContinuar lendo “Not Quite Hollywood: The Wild, Untold Story of Ozploitation! (2008)”

Pam Grier Week

Tá rolando na blogosfera uma semana especial da Pam Grier, inúmeros blogs estão dedicando toda a semana de hoje até o próximo sábado à mulher mais fodona do cinema dos anos 70, não participarei por falta de tempo, pois é notória a minha paixão por essa mulher, mas que fique aqui alguns dos blogs queContinuar lendo “Pam Grier Week”

Festival Posters Blaxploitation/Western Spaghetti: Cavalgada Infernal (Take a Hard Ride, 1975)

Jim Kelly é um negão índio lutando karatê no velho oeste, depois dessa informação não dá nem para lembrar que no elenco também há Fred Williamson, Jim Brown, Lee Van Cleef, Dana Andrews, Barry Sullivan e Catherine Spaak. Nota: Este poster é o elemento de transição que marca o fim da série de posters doContinuar lendo “Festival Posters Blaxploitation/Western Spaghetti: Cavalgada Infernal (Take a Hard Ride, 1975)”

Plus: Dolemite e suas falas geniais

That rat soup eatin’, insecure, honky motha-FUCKA! When I see a ghost, I cut the mutha fucka. I got your “boy” hangin,’ you no-business, born insecure, jock-jawed, motha-FUCKA! I’m gonna let ‘em know that Dolemite is back on the scene! I’m gonna let ‘em know that Dolemite is my name, and fuckin’ up motha fuckasContinuar lendo “Plus: Dolemite e suas falas geniais”

Breaking Point (1975)

Nos primeiros 5 minutos o que vem a mente mente é: por que este filme não é tão cultuado quanto o filme anterior de Bo Arne Vibenius, Thriller – A Cruel Picture? Nem é pela bizarrice dos créditos iniciais ao som da música de Harry Lime, mas pelo que se segue, uma violenta e aoContinuar lendo “Breaking Point (1975)”