24 Frames: O Espião que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy, Tomas Alfredson, 2011)

Quanto maior o número de identidades que uma pessoa tem, mas elas expressam aquilo que essa pessoa oculta. … Poucas pessoas são capazes de resistir ao impulso de dar expressão a seus anseios quando estão fantasiando a respeito de si mesmas. – John Le Carré

3x Mamma Mia

I’ve said it before, and I’ll say it again: “No more fucking ABBA!” Nota: É sempre bom lembrar que O Casamento de Muriel conta a história da protagonista através das músicas do ABBA, concepção esta anterior à criada pelo espetáculo da Broadway de fim dos anos 90 e que deu origem ao filme homônimo. JáContinuar lendo “3x Mamma Mia”

24 Frames: Direito de Amar (A Single Man, Tom Ford, 2009)

“AFTER many a summer dies the swan.’ ” George rolls the words off his tongue with such hammy harmonics, such shameless relish, that this sounds like a parody of W. B. Yeats reciting. (He comes down on “dies” with a great thump to compensate for the “And” which Aldous Huxley has chopped off from theContinuar lendo “24 Frames: Direito de Amar (A Single Man, Tom Ford, 2009)”

Hollywood Portfolio 2011 da Vanity Fair

Nota 1: Sempre me perguntei se o Robert Redford conseguia dormir à noite por ter tirado o Oscar do Scorsese e do Raging Bull. Aparentemente consegue. Nota 2: O que aconteceu aos editoriais Hollywood da Vanity Fair? Até uns anos atrás eram escandolamente sensacionais como aquele do Hitchcock ou o Killers Kill, Dead Men Die,Continuar lendo “Hollywood Portfolio 2011 da Vanity Fair”

Atores de 2010 – W Magazine

*As fotos de estúdio são de Inez van Lamsweerde & Vinoodh Matadin Franco, Rudd, Bale e Williams foram fotografados por Andreas Laszlo Konrath e Jennifer Lawrence por Graeme Mitchel

Estudando Huxley (e Isherwood!) com Tom Ford

*Direito de Amar (A Single Man, Tom Ford, 2009) Se um aluno depois de ter lido um livro do Huxley me perguntasse se este era anti-semita, juro que não jogaria nenhum apagador e nem pediria elegantemente para tal estudante enfiar o livro no cu, simplesmente sairia da sala em silêncio e nunca mais voltaria. BemContinuar lendo “Estudando Huxley (e Isherwood!) com Tom Ford”

Hollywood Portfolio da Vanity Fair 2010 por Annie Leibovitz

Observações: – Por que o Tarantino sempre tem que ser o mais doente? – Ó céus, Tom Ford de barba.

Mamma Mia! (2008)

Minha gente, nunca passei tanto aperto numa sala de cinema. Quando Julie Walters e Christine Baranski iniciaram Dancing Queen logo mais acompanhadas por Meryl Streep comecei a suar e lacrimejar de desespero para sair pulando e soltando a franga, fiquei com o chamado “cu na mão”. Mas não saí dançando e cantando por vergonha não,Continuar lendo “Mamma Mia! (2008)”

Fry & Laurie em três tempos

Blackadder (1983 – 1989) Não conhecia Rowan Atkinson para além de seus papéis de comicidade suspeita, mas o cara não era apenas bom como Blackadder, ele era ótimo. Outro tipinho extraordinário era o, até então desconhecido por mim, Tony Robinson na pele do impagável Baldrick (aka I have a cunning plan). O seriado que entraContinuar lendo “Fry & Laurie em três tempos”