24 Frames: Tommy (Ken Russell, 1975)

To say that cinema often presents a contemptuous view of television doesn’t begin to capture the extremity of that representation. Ken Russell’s 1975 Tommy, to take just one instance, features one of the better-known, most hysterical portraits of television paranoia. Ann-Margret, playing Tommy’s careless mother, Nora Walker Hobbs, urges Tommy (Roger Daltrey) to respond toContinuar lendo “24 Frames: Tommy (Ken Russell, 1975)”

Também quero Elton John cantando no meu casamento…

… só que Pinball Wizard, é claro. E se você contextualizar a letra dessa música para um casal, ela é bem romântica. Rá. E para completar o nonsense do fim de semana, era bem esse outro papa que deveria ser beatificado. Certamente não estou brincando quando digo que Ken Russell deveria comandar o universo. OContinuar lendo “Também quero Elton John cantando no meu casamento…”

Os Filmes Bacanas de Cada Ano que o Cinema Viveu: 1975

1- The Rocky Horror Picture Show (Jim Sharman)Frank N. Furter é uma das melhores personagens do cinema, sem exagero. O mais bizarro é que Tim Curry se envergonha realmente deste papel, do que ele tem orgulho então, Esqueceram de Mim 2? É fácil um dos meus filmes favoritos de sempre e merece muito ser oContinuar lendo “Os Filmes Bacanas de Cada Ano que o Cinema Viveu: 1975”

Lisztomania (1975)

Não aceito adjetivo menor que o significado de gênio para designar Ken Russell. Eu deveria mandar todo mundo tomar no cu e depois passar o resto dos meus dias trancada num cúbiculo só assistindo filmes do Russell repedidamente, aí eu poderia morrer louca e feliz.