Marie-France Pisier (1944 – 2011)

Isso foi um susto, de repente você começa a pensar que Karina, Adjani, Huppert, Deneuve vão morrer um dia. Belmondo vai morrer, meu deus!
Top-dúzia, então:

1- O Fantasma da Liberdade (Le Fantôme de la Liberté, Luis Buñuel, 1974)
2- Beijos Roubados (Baisers Volés, François Truffaut, 1968)
3- Trans-Europ-Express (Alain Robbe-Grillet, 1967)
4- Céline e Julie vão de Barco (Céline et Julie vont en Bateau, Jacques Rivette, 1974)
5- As Irmãs Brontë (Les Soeurs Brontë, André Téchine, 1979)
6- Antoine et Colette (L'Amour à 20 Ans, François Truffaut, 1962)
7- O Amor em Fuga (L' Amour en Fuite, François Truffaut, 1979)
8- Ânsia de Vingança (Le Corps de Mon Ennemi, Henri Verneuil, 1976)
9- O Tempo Redescoberto (Le Temps Retrouvé, Raoul Ruiz, 1999)
10- A Nota Azul (La Note Bleue, Andrzej Zulawski, 1991)
11- O Vampiro de Dusseldorf (Le Vampire de Düsseldorf, Robert Hossein, 1965)
12- Em Paris (Dans Paris, Christophe Honoré, 2006)

Nota: Deveras peculiar ela estar naquela específica sequência de Fantasmas da Liberdade e anos mais tarde encarnar Madame Verdurin no Proust do Ruiz, a idéia que permeia ambas personagens é basicamente a mesma. Algo que não se pode dizer entre as personas de Charlotte Brontë e George Sand, feminismo e romantismo à parte, é claro, não só por uma questão de personalidade, mas de estilo de vida e literário.

Publicado por Adriana Scarpin

Bibliófila, ailurófila, cinéfila e anarcafeminista. Really. Podem me encontrar também aqui: https://linktr.ee/adrianascarpin

6 comentários em “Marie-France Pisier (1944 – 2011)

  1. Que triste… Marie France era uma atriz magnífica… e mulher de interesantíssima presenca nas telas… até num daqueles horrores do cine americano… o péssimo “O outro lado da meia noite” baseado no livro de – of all people – Sidney Sheldon! :-)
    Que ela tenha descanssado!!!!!!!!!!!!!
    Ricardo

    Curtir

    1. Qualquer coisa baseada em Sidney Sheldon é de cortar os pulsos – assim como o próprio, mas estranhamente ele roteirizou alguns bons musicais dos anos 40 e 50…

      Curtir

  2. Quando Delon e Jean-Pierre Léaud partirem também será muito estranho. O Léaud nem sei se dá pra considerá-lo grande intérprete, mas é dos mais emblemáticos desse pessoal todo, ele começa junto com a nouvelle vague ainda moleque, e cresce com o movimento, e está em a mãe e a puta, que talvez seja o filme que sela definitivamente o final desse período. Perigo de nos sentirmos todos orfãos nesse dia.
    A Pisier foi também Chanel numa cinebiografia elogiada nos anos oitenta, chegou a sair em video no Brasil, mas nunca assisti.

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: